PROTOCOLOS E LITURGIA DO BDSM BRASILEIRO (Parte 1)

Por Mestre LenHard de Serpentis – Sábado, 06 de Abril de 2019 O Protocolo significa coisas diferentes para pessoas diferentes, mas todos podem concordar que muito, se não tudo, tem a ver com RESPEITO. Respeito e protocolo são muito importantes no estilo de vida BDSM. Se tem alguém que quer entrar no círculo BDSM como um amigo, jogar com um amigo, Mentorar ou tentar entender sobre o respeito ou o protocolo, então eles precisam mantê-lo em movimento. Protocolo é um código de comportamento, e/ou rituais em um determinado grupo, Comunidade ou dinâmica. A maioria da Comunidade BDSM concorda que existem determinadas regras e conceitos que consideramos ser o protocolo da comunidade. Agora há protocolos diferente em cada dinâmica porque todas as dinâmicas são diferentes, mas há certas ações comuns. Como podemos concordar que todos têm direitos, agora, algumas pessoas são suspensas de seus direitos. Suspender os direitos tem que ser algo que ambas as pessoas têm para consentir. Se de alguma forma se tornar NÃO CONSENSUAL para ambas as partes envolvidas, deve-se PARAR. Todos os protocolos devem ser razoáveis. Existem 3 tipos de PROTOCOLOS BDSM. O Baixo Protocolo (ou Protocolo Fantasma), o Médio Protocolo e o Alto Protocolo. Irei descrever cada um deles a minha maneira de acordo com pesquisas que tenho realizado e com as minhas vivências nos últimos anos de BDSM no Brasil. Portanto não se trata de mera teoria e sim de uma visão pratica de quem vive o BDSM 24/07. BAIXO PROTOCOLO (Protocolo Fantasma) O BAIXO PROTOCOLO ou Protocolo Fantasma é MUITO interessante e importante. O Protocolo Fantasma é para situações onde você pode estar em público ou em torno de Baunilhas. É destinado a manter as pessoas ao redor, alheios à verdadeira natureza de seu relacionamento. Ele também pode ser usado para crianças. Alguns Dons ou mestres usam-no só porque eles podem, eles mostram quão bem seus escravos ou subs são bem treinados. A exemplo, temos o uso social do Anel de O como aliança de compromisso no dedo anelar. Eu e minha companheira usamos a anos e muitos baunilhas quando perguntam, veem uma aliança diferente mas não sabem o seu real significado. Já um praticante de BDSM, saberá que somos também praticantes. O Mesmo caso cabe para o uso de Coleiras Sociais em formato de Tornozeleiras e Pulseiras com o nome do Dono/Dona, em alguns casos Tatuagens não explicitas, e o uso de Pendantes do TRISKELION (Ou Triskel) BDSM que é nosso símbolo Universal. Dentro do Baixo Protocolo existe a lembrança contínua da servidão e das responsabilidades entre TOP e bottom, mas de forma casual e invisível aos olhos baunilhas, mas com limites específicos de forma discreta, criando situações onde as ordens e exigências aparentam não serem o que são. Não deixa de ser um jogo existente uma vez que estamos sempre com o risco de sermos descobertos pelos baunilhas. Ok, existem cada vez mais casos de pessoas que falam abertamente que tem relacionamentos BDSM e não se importam com isso para seus amigos, colegas de trabalho e família, então provavelmente este tipo de protocolo não vai te fazer nenhum sentido e você vai achar isso muito bobo, quase um jogo infantil. Mas para aquela parcela de pessoas que não podem revelar esse seu lado BDSM, se torna uma boa alternativa para continuar o jogo em momentos de vida baunilha que convenhamos compreende grande parte de nossas vidas. MÉDIO PROTOCOLO Em ambientes BDSM, clubes, bares, festas temáticas, até algumas festas fetichistas abertas ou fechadas que incluam o BDSM, pode-se usar o Médio Protocolo. Em geral usa-se o Médio Protocolo em situações de Cena em Jogo, Sociais REAIS e VIRTUAIS. Mas vão me perguntar, Como se usa Médio Protocolo no Virtual? Bem simples, com o uso dos Títulos Honoríficos (leia mais abaixo), com o trato da Hierarquia TOP / bottom e respeitando a consensualidade em AMBOS os lados. Lembrando que PROTOCOLO é sinônimo de RESPEITO, portanto, se está em ambiente Virtual fazendo uso do Médio Protocolo, o Top não vai chegar na bottom falando: “E AI CADELA, FICA DE 4 E DA ESSA RABA PARA MIM”. Primeiro que isso não é atitude de TOP. Segundo que Não segue NENHUM PROTOCOLO. Só por isso já vemos a importância do uso do Médio Protocolo no ambiente Virtual BDSM.

Por outro lado, o Top se protege de ler: “VC NAUM MANDA NI MIN”. Primeiro que isso não é português, segundo que a bottom não deve tratar o Top sem o uso do Título Honorifico (Leia abaixo). Em ambientes reais, o Médio Protocolo deve ser usado como uma ferramenta social no ambiente BDSM. O uso de Títulos Honoríficos é preponderante para o início de seu uso e a sensibilização com as regras do local e responsabilidades pessoais devem estar sempre em primeiro lugar. O que isso quer dizer? Que dentro de um ambiente BDSM seja ele qual for, deve-se RESPEITAR o LOCAL suas REGRAS e suas PRÓPRIAS RESPONSABILIDADES para com SI MESMO e COM OS OUTROS, de forma ANTECIPADA. OU SEJA: TRATE AOS OUTROS COMO GOSTARIA DE SER TRATADO (A) (SIMPLES, NÃO É?) Dentro do Médio Protocolo, TOPS tem SEMPRE a prioridade. Exemplo: na hora de cumprimentar as pessoas, você vai começar pelos TOPs e depois vai falar com os bottons. Por fim, concentre-se para que o seu Médio Protocolo seja o mais educado e polido possível. Não precisa fazer firula, tentar falar que nem no século 17, português colonial ou ficar falando Nobre isso e Nobre aquilo, isso não vai fazer você estar usando o Médio Protocolo a contento. Dedique-se aos data-lhes, isso sim importa. ALTO PROTOCOLO O Alto Protocolo é apenas utilizado em ambientes fechados BDSM como playparties fechadas, rituais de encoleiramento, festas fechadas e relacionamentos podendo ser pessoais ou profissionais, onde este tipo de protocolo é combinado previamente entre os participantes. Ele é utilizado em curtos períodos de tempo e geralmente para punições. Também é utilizado em serviços profissionais de Dominação como a exemplo Pro-Dommes e Pro-Dons. É um Protocolo que requer muita atenção e foco, não podendo ter distrações, daí não poder ser feito em ambientes sociais abertos. A obediência do bottom deve ser absoluta e instantânea, sem demora, hesitação ou perguntas. O Bottom não deve falar, agir de forma involuntária ou inaceitável e não deve fazer movimentos extremos. A Consciência de que cada movimento é uma resposta. Cada comportamento está sendo cuidadosamente ligado a como o bottom é examinado e julgado a cada ação e momento durante o Alto Protocolo. É geralmente esse tipo de protocolo que se vê nos filmes profissionais de FEMDOM ou MALEDOM, onde o Bottom não fala nada e apenas executa ordens. Dificilmente uma pessoa que não pratica os outros níveis de protocolos consegue trabalhar o Alto Protocolo a contento para simular o que vemos nos filmes profissionais. Daí um pouco do desencanto de alguns ao ver esses filmes e não conseguir reproduzir o mesmo tipo de resposta na sua vida BDSM. A tomada de decisões por conta do TOP é a prioridade no Alto Protocolo, os desejos e necessidades do bottom estão suspensos neste momento. E é isso que muitas pessoas não entendem; é UM MOMENTO, e não UMA RELAÇÃO. O bottom tem seus direitos, mas neste momento de Alto Protocolo ele ou ela conscientemente Consente ao TOP que deixe de ter qualquer direito e se entregue totalmente para que alcance uma experiência plena de Dominacão por um breve momento. E entendam é também um momento especial para o TOP, pois se trata de um tempo fora do tempo em que o TOP consegue realmente comandar o bottom sem quaisquer restrições sociais, físicas ou mentais. Diria eu que se trata de um momento MÁGICO e ESPECIAL. Um momento de BDSM PURO. Para que o ALTO PROTOCOLO funcione a palavra chave é: CONCENTRAÇÃO TÍTULOS HONORÍFICOS Faz parte do protocolo os Títulos Honoríficos que são basicamente o pronome que o dominante quer ser chamado por seu escravo e pela comunidade BDSM local. A maioria dos títulos honoríficos são usados durante o uso do Médio Protocolo. Eu particularmente fui trocando meu Título Honorifico ao longo dos anos conforme fui evoluindo na Cultura BDSM e sendo reconhecido dentro da comunidade, iniciando como Sir, depois Dom, Senhor, Marquês e Mestre. Claro que é extremamente pessoal e vai de cada um se auto intitular para trazer um pouco de si mesmo no seu apelido, no entanto uma dica que deixo dos anos de prática é o comedimento. Evite exagerar nos Títulos Honoríficos como por